31 de mai de 2012

Vereador que Prefeito denunciou é condenado!‏

Barbosa 2

 
Editoria Rede PDT - Verdade seja dita. O prefeito Barbosa Neto (PDT) honra o legado de Leonel Brizola e se orienta no pensamento de Darcy Ribeiro, empreendendo esforços para dar educação de tempo integral e boa alimentação às crianças de Londrina, porque assim dizia o mestre Darcy: "O fundamental é comer. Você já viu um bezerro sem ração? Ou um cachorro? Ou um cabrito? Ou uma galinha sem dono para lhe dar comida? Você não viu! E sabe por quê? Porque não existe. Agora, menino de rua tem um monte por aí. Não existe galinha de rua, existe? Pois é. Nem bezerro e nem cavalo. Mas crianças, tem. Isso não pode".
Marcos Zanutto/17-5-2012
Vereador que persegue Barbosa Neto
é condenado por concussão pela Justiça
 
Loriane Comeli e Edson Ferreira/Folha de Londrina - O juiz da 3 Vara Criminal de Londrina, Katsujo Nakadomari, condenou o vereador Joel Garcia (PP) a dois anos e oito meses de prisão por concussão - extorsão praticada por servidor público. A sentença permite que ele recorra em liberdade e, após o trânsito em julgado, possa cumprir pena alternativa, prestando serviços à comunidade por seis meses. O crime teria ocorrido em 2009, conforme consta de denúncia formulada pelo Ministério Público, quando Joel Garcia teria exigido do então secretário de Gestão Pública, Marco Cito, que a empresa de sua família, a Stanley Garcia, revendedora de verduras e legumes, vencesse uma licitação para fornecer produtos alimentícios para a merenda escolar. Caso a empresa não fosse contemplada, passaria a fazer oposição sistemática ao prefeito Barbosa Neto (PDT), de quem havia sido líder na Câmara. No processo, Cito afirmou que a empresa da família de Garcia foi a quarta colocada na licitação e que, posteriormente, por problemas técnicos a disputa foi cancelada. Segundo ele, ''diante da comunicação de anulação do procedimento, o réu (Garcia) disse-lhe que se o depoente continuasse com essa postura, iria para a oposição''. A partir disso, afirmaram as testemunhas, o vereador teria passado efetivamente a militar na oposição. Além de Cito, que figura como vítima do crime de concussão, prestaram depoimento como testemunha de acusação Alysson Tobias de Carvalho, que era então responsável pela articulação entre governo e Câmara; e Rogério Lopes Ortega, que era assessor de gabinete de Roberto Fú (PDT). Hoje os três estão presos preventivamente acusados de formação de quadrilha e corrupção para cooptar vereadores. O vice-prefeito, Joaquim Ribeiro, o ex-secretário de Obras Aguinaldo Rosa e dois funcionários da Secretaria de Gestão Pública também prestaram depoimento contra Garcia... (leia mais)
 
Rede PDT LondrinaA condenação do vereador Joel Garcia (PP), que se elegeu pelo PDT e passou pelo PTC antes de ser abrigado pelo belinatismo, foi motivada por denúncia feita pelo prefeito Barbosa Neto ao Ministério Público quando o parlamentar articulava para continuar fornecendo maçãs e outras frutas para a merenda escolar, como vinha fazendo nos 8 anos do Governo Nedson Micheletti (PT). Vale lembrar que Londrina esteve nas páginas policiais no chamado "escândalo das maças podres", pois a SP Alimentação costumava dar maças e outros gêneros em condições sofríveis para as crianças. As merendeiras dividiam as maças e todas as porções em quatro partes e as crianças não podiam repetir o prato e quanto menos as crianças comiam, mais os funcionários recebiam. Para se ter uma idéia, o atual prefeito conseguiu diminuir de R$ 1,40 para R$ 0,80 ou menos o valor da merenda aumentando para 5 refeições diárias nas 23 escolas de período integral de Londrina, liberando a criança pra comer a vontade, repetindo o prato quantas vezes quiserem. É a segunda condenação desse vereador em menos de três anos, a primeira foi por compra de votos e chegou a ficar preso por dois meses. Joel Garcia só não perdeu o mandato, à época, porque houve omissão do próprio partido pelo qual foi eleito em pedir a vaga para o suplente, no tempo hábil, devido a manobras de alguns desafetos internos do prefeito Barbosa Neto. O curioso nessa história é que as três testemunhas da acusação contra o vereador - Marco Cito, Alysson Tobias de Carvalho e Rogério Lopes Ortega - estão presos acusados de participarem do "suposto esquema" da compra de votos na Câmara a favor do prefeito. É mole?

Nenhum comentário:

Postar um comentário